Assinatura RSS

Arquivo do mês: maio 2016

Renascer através da resistência

Publicado em
mtst

É hora sim de apontar os vários erros do PT e de Dilma. Assim como muitos dos erros da esquerda como um todo. Críticas e auto-críticas são essenciais. Contudo, fazer somente uma bela análise de conjuntura pode te dar muitos likes e aplausos em assembleias, mas é insuficiente.

É utópico achar que existirá um dia uma união das esquerdas de mãos dadas descendo um gramado florido. As concepções de mundo e projetos são muito diferentes, heterogêneos, inclusive os projetos de poder. Mas o inimigo comum está posto. Vivemos agora um processo de golpe, com retrocessos claros em termos políticos, sociais e econômicos. A unidade necessária para derrotar um governo ilegítimo, portanto, só pode existir na prática, na ação concreta.

Devemos, assim, tomar cada dia mais as ruas. Como dizia uma faixa do Ocupe Estelita: “A rua é nossa. Ocupe-a”. Nossa tendência é apenas crescer. Mas devemos fazê-lo respeitando a diversidade tática, as diferentes formas de lutar e com a força da luta de base, que tanto vem sendo neglicenciada. Não será fácil e a repressão será (está sendo) grande.

A história não é linear, nem evolucionista. Muitos acreditavam na consolidação de certas instituições democráticas no país. Subestimamos aqueles que sempre recorreram ao golpe, em todas as oportunidade em que perderam dentro das instituições de nossa democracia oficial. Não vivíamos o Éden que muitos acreditavam. O medo das ruas e das insatisfações tomou o PT e o Governo. O vácuo foi preenchido pela mídia, o poder econômico e pelas oligarquias políticas, que aplicaram um golpe há muito tempo pensado, mas que precisou de tempo para cercar suas presas e chegar definitivamente ao poder.

O determinismo histórico, portanto é uma narrativa, um mito. A história é, por outro lado, algo imprevisível, cheia de rompimentos, curvas que saltam de linhas retas. Por isso é um erro colocar o fatalismo de uma derrota, agora. Diferente do que tentam nos fazer acreditar todo o tempo, a história não acabou. Para nós, está recomeçando. Nós responderemos com luta e com um outro projeto para este país, que só pode nascer através da resistência.

Gabriel de Barcelos

 

Foto: Manifestação do MTST contra o golpe e por direitos (Mídia Ninja)