Assinatura RSS

Perguntas sobre Solitário Anônimo

 

Eu estava um tanto triste e decidi caminhar. A locadora ficava no caminho e foi, como de costume, uma parada inevitável. Gosto de percorrer as prateleiras e observar os filmes, mesmo que não alugue nada e tenha que sair meio sem graça perante o olhar da atendente. Naquele dia eu não procurava nenhuma coisa indicada por amigos ou sucesso de críticas. A necessidade era descobrir algo diferente, que me falaria sobre o momento vivido por mim. Gosto de descobrir coisas ao acaso, em locadoras, sebos, bancas de jornal, livrarias, feiras… Algo que escapa à internet e ao que circula nas demais mídias e nos meios que frequento de amigos e ideias.

Descobri, então, que a sessão de documentários (campo/gênero cinematográfico que é foco de minhas pesquisas e trabalhos) estava agora numa sala a parte, semelhante aos filmes pornôs. Um nome me chamou a atenção durante a busca: Solitário anônimo, de Debora Diniz.

Assim dizia a sinopse:

Um idoso deitado na grama à espera da morte. No bolso, um bilhete anunciava ser de terras distantes. Não havia documentos ou posses. Seu desejo era morrer solitário e anônimo. Esse é o início do documentário que conta a impressionante história de um homem obstinado a planejar e controlar sua morte. É um filme sobre a liberdade, a vida e a morte.

Não percebi, portanto, que se tratava de um curta-metragem, nem poderia imaginar que era um filme disponível no You Tube. Mas valeu a pena.

Terminei o filme maravilhado. Impossível não se afeiçoar por aquele senhor que só quer morrer em paz, anônimo. Mas fiquei com várias perguntas na cabeça. Como estou disponibilizando o vídeo e acho chato escrever a parte descritiva, vou passar para algumas delas, que dizem um pouco das impressões que tive:

– Há alguma chance de sermos anônimos hoje?

– Há alguma chance de sermos sozinhos hoje?

– Se o documentário que acabamos de ver (junto com a maciça presença da imprensa) impede a possibilidade de anonimato somos, então, cúmplices? Cúmplices em transformar alguém que exigia morrer sozinho num “personagem”? 

– Seria ilógico fazer a pergunta acima, visto que essa discussão inexistiria se não tivéssemos assistido ao filme?

– Há, então, certos temas que não deveriam se tornar documentários? Como o de um homem em luta pelo anonimato?

– Ao filmar a violenta cena da sonda, onde o Anônimo estava vulnerável e lutava contra a vida, o documentário também comete uma violência?

– A luta pelo direito ao seu próprio corpo que o filme pode sugerir é algo que faz o filme valer a pena?

– Se o “passado é um monte de lixo”, o “presente é o real” e “o futuro é uma hipótese”, o que é o filme que vimos? Esta obra que guarda a resistência do Anônimo em viver?

Uma resposta »

  1. I have recently started a web site, the info you provide on this site has helped me greatly. Thank you for all of your time &amp work. There can be no real freedom without the freedom to fail. by Erich Fromm. dgkgkdcakgkd

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: