Assinatura RSS

Arquivo do mês: junho 2011

Asa à cobra

Publicado em

Asa à Cobra (de Cosme da Viola / Darci do Pandeiro, por Bezerra da Silva)

Se Deus desse asa a cobra
O mundo estava perdido
Carroça andava na frente
E o burro atrás escondido

Carroceiro puxava carroça
E na frente do burro ele vinha
A cozinheira ia pra sala
E a madame pra cozinha
Servente seria chefe
Soldado seria tenente
Chefe ia trabalhar la na vaga do servente
Se deus desse asa a cobra
Meu deus como ia morrer gente

Se Deus desse asa a cobra
O mundo estava perdido
Carroça andava na frente
E o burro atrás escondido

Ai eu queria ver o que iam fazer os ladrões de gravata
Quando vissem a coisa preta
Porque quem não sabe rezar
Não faz trato cm o capeta
Eles estão me entendendo
Pra quem sabe ler um pingo é letra

Se Deus desse asa a cobra
O mundo não estava perdido
Carroça andava na frente
E o burro atrás escondido

Se Deus desse asa a cobra eu só sei que o mundo não estava perdido
A carroça andava na frente
E o sujeito burro atrás escondido

Se Deus desse asa a cobra eu só sei que o mundo não estava perdido
A carroça andava na frente
E o sujeito três ia atrás escondido

Política (Drummond)

Publicado em

Vivia jogado em casa.
Os amigos o abandonaram
quando rompeu com o chefe político.
O jornal governista ridicularizava seus versos,
os versos que ele sabia bons.
Sentia-se diminuído em sua glória
enquanto crescia a dos rivais
que apoiavam a Câmara em exercício.

Entrou a tomar porres
violentos, diários.
E a desleixar os versos.
Se já não tinha discípulos.
Se só os outros poetas eram imitados.

Uma ocasião em que não tinha dinheiro
para tomar o seu conhaque
saiu à toa pelas ruas escuras.
Parou na ponte sobre o rio moroso.
o rio que lá embaixo poucos se importava com ele
e no entanto o chamava
para misteriosos carnavais.

E teve vontade de se atirar
(só vontade).

Depois voltou para casa
livre, sem correntes
muito livre, infinitamente
livre livre livre que nem uma besta
que nem uma coisa.

Carlos Drummond de Andrade (do livro Alguma Poesia)

*

Eu estava relendo o poema Política , de Drummond.

Hoje, quando vejo militantes do passado com cargo no Governo e dizendo “sim senhor”, lembro de todos aqueles que não se ajustaram e não se ajustarão. Aqueles que sempre colocaram os seus ideais e a defesa do povo como algo bem maior do que a fidelidade a caciques do poder. Eles estão em todos os lugares e com mais dificuldade ainda nas cidades menores. Inevitável lembrar do Amarildo Mayrink, da pequena cidade Bicas-MG, onde morei uma grande e feliz parte da minha vida ( seu blog). Antigo militante do PT, lutou a favor de várias causas: juventude, skatistas, moradores do bairro pobre da Saracura, conselhos participativos, conferências, projetos sociais e, por último, uma briga (que terminou vitoriosa) contra a poda química criminosa realizada pela Prefeitura. Por defender o que acredita, não conseguiu se ajustar aos esquemas políticos e acabou saindo do partido e do Governo. Vida longa aos que fazem História e vão contra os que insistem em manter a mediocridade do mundo.

Um dia

Publicado em

Hoje vai ser diferente

diferente por que serei

serei sei la bem o quê

pequena coisa ser diferente pelo motivo de não voltar para casa e conferir tudo

não, não volto

Hoje não vou voltar, não vou voltar! Já conferi tudo, já chequei tudo, tá tudo arrumado, tudo certo mesmo, tá tudo certo.. Tá mesmo? Nossa, acho que deixei a luz do banheiro acesa.. Não lembro se conferi. Pera aí… Não lavei os pratos… A Marli vai me matar…  Não não, lavei sim, lavei sim.. Tá tudo bem. Hoje vou para o trabalho tranquilamente, hoje vai ser diferente… vou esperar esse ônibus, entrar nele, não vou voltar para casa e conferir se está tudo certo.. Que bom, o ônibus tá chegando, vou sair daqui dessa rua.. mas espera aí…. acho que realmente deixei duas luzes acesas. Não quero briga em casa, meu Deus! Espera aí, a moça é a última a entrar no ônibus, tenho que decidir logo!.. entra devagar moça, por favor! Espera aí, tenho que entrar nesse ônibus logo..pera aí! Não consigo! Naaao! Não consigo entrar nesse maldito ônibus! O próximo que chegar vou entrar, a se vou! Chegou ele, vou fechar os olhos e entrar correndo! Ai ai ai.. Que bom! Entrei.. que vitória! Meu Deus, que homem com cara estranha! Olhando feio para todo mundo! Hoje vou ser assaltado.. Não seu idiota… para…. para de ser imbecil! Para de pensar em qualquer coisa! Para de pensar merda! Para! A Marli não tá dando para aquele cara do trabalho! Não tá! Nem o seu patrão tá pensando em cortar pessoal e você viver na miséria, pedindo dinheiro na rua, cheirando cola, fumando crack, morrendo com um grupo de extermínio… Não, isso não vai acontecer… Já tô logo vendo a Marli com aquele idiota… ele é um idiota, mas ela casou com ele, os dois fugiram e viveram uma vida romântica em Paris… ele deve ser muito melhor na cama, com certeza! Ele ganha mais também, é cheio da grana, ele deve saber falar umas palavras bonitas.. isso Marli! Vai embora com esse imbecil, vai! Enquanto eu fico aqui na esquina fumando crack, na rua da amargura.. vai sua desgraçada! Desperdiça o amor que eu te dei! Meu Deus! Por que tô pensando nisso? A Marli é uma santa criatura!

Pronto, acho que agora passou.. Tô mais tranquilo. Vamos chegar ao trabalho em paz….. Vamo atravessar essa faixa de pedestres… pé de- pois pé.. … por que aquele carro tá parado ali? Tem um cara lá dentro tirando foto.. acho que ele está imaginando que ninguém tá vendo.. do tipo: estou aqui oculto, com minha câmera fantástica, fazendo vários retratos do cotidiano urbano.. para fazer uma exposição genial depois, ganhar elogios do jornal e vender um belo livro de 100 reais para ficar no centro de mesa de alguma família rica. Ele tá mirando em mim, com certeza, nessa minha cara séria, triste.. devo ser um objeto fantástico para ele! Com certeza… Um homem triste numa rua nublada. Ele vai dizer para algum idiota da vernissagem dele que isso explica a solidão do homem urbano! Que solidão o caralho! Eu sou casado ouviu? E muito bem casado! Eu sempre achei legal fotografia. Quando era mais jovem já até pensei em ser fotógrafo. Poderia ter seguido essa carreira, poderia estar fazer coisas legais como esse homem do carro, coisas que me inspirariam, me dariam vontade de viver. Por que eu não faço um curso de fotografia? Acho que vou fazer. Não aguento mais aquele emprego idiota! Mas será que eu vou ter talento para isso?

Não consigo atravessar! Para mim não tem sentido! A lógica é essa: eu passo, em linha reta, até a rua do meu trabalho. Perpendicular a mim passam os carros, alguns passam direto e outros, gentilmente (gentilmente o caralho! Isso é obrigação!) param antes da faixa. É assim todos os dias: as pessoas andam, correm atrasadas, ficam de mau humor, ignoram tudo, ficam com um fone no ouvido, xingam a velha que tá na frente atrasando.. é isso! Tá errado um cara fotografando! As pessoas não têm tempo para esse tipo de besteira! Os carros passam, um está parado, outros pessoas esperam, outras passam. Minha cabeça fica confusa e eu demoro a conseguir passar, até que dou uma corridinha, ignoro o carro e chego no trabalho. Oi bom dia bom dia e ai como foi viu o jogo não vejo nunca vi um documentário ontem interessante sobre a Malásia que legal e ai como estão as coisas e a Marli tá bem sim aqui hoje você vai ter que pegar uma hora mais tarde por que tao consertando o encanamento no seu andar você vai ganhar uma hora de folga.

Os indivíduos normais ficariam felizes com isso, tomariam esse tempo para tomar um café na padaria, conversar, dar uma volta da praça ali do lado, comprar um presente para a esposa. Mas eu não pensava em outra coisa: tenho tempo para voltar em casa e conferir se está tudo bem, tenho tempo, tenho tempo.. é isso que eu vou fazer! Não não vou vou vou … não…

Desço do ônibus, estou de volta na minha rua, fazendo exatamente o que eu havia prometido não fazer ao acordar de manhã! Vou andando, volto, depois ando, volto… Até que resolvo parar e sentar. Reflito bem sobre a minha vida.. sobre o rumo tomado.. como tenho agido.. foram três minutos importantes.. sinto que agora minha vida mudará. Respiro fundo, não penso mais nada, pego o ônibus, dou um sorriso, entro no ônibus, atravesso a faixa e chego ao trabalho. Mais um dia, onde me focarei e tudo dará certo. Tá vendo? Você pode se controlar… tudo dará certo!

*

*

*

*

Hoje pela manhã a secretária Marli de Souza Rodrigues foi encontrada morta em seu apartamento, na Rua Albério de Souza, Bairro Santa Maria. Segundo a polícia, o seu marido deixou acidentalmente o gás ligado……

Gabriel Barcelos

Para navegar no Sessão

Publicado em

Conto A dedicatória.  Uma experiência com o jogo e as possibilidades.

O lugar das coisas. Série de crônicas, fragmentos…

Outros textos publicados

Hokusai