Assinatura RSS

Arquivo do mês: outubro 2010

Rei Palmares

LuanLuando

Mandinga,mandinga,mandinga
Quilombo, quilombo…
Quilombo, quilombo…
Liberdade igualdade resistência
Terra,comida,arte estava existência
Tambores, atabaques para confraternizar
Molejo gingado para capoeirar
Companheiros indígenas
-Hei nego… Segue o som dos tambores que
ecoa pelo mato]

Segue o sentimento nativo exato
Rei ganga zumba, na falsa paz confiou
Um tratado um tratado se consolidou
Contra a repressão quilombo é escudo
Nego zumbi falou, – liberdade tem que ser
pra todo mundo]
O tratado foi interrompendo
Ele foi o cupido
O povo dividido
O muro demolido
O Negro também veio palmares derrubar
Preso nas correntes, não tinha folia.
Querendo guerrear por carta de alforria
Escravo de guerra de Pernambuco capitanias
Comandados pelos cães
Domingo Jorge velho e seus canhões

Vamos reconstruir palmares
Vamos reconstruir palmares
Mesmo com Naza sobre os ares
Mesmo que venham ogivas nucleares
Mesmo que caiam corpos sobre os mares
Vamos reconstruir palmares
Vamos reconstruir palmares

Vamos arrombar, porteiras e portões
Taca fogo nos casarões
Guiado pela lua caminhos vamos seguir
Engenho,latifúndio vamos invadir
Saquear os saqueadores
Colocar no tronco os senhores
Rasgar diploma de doutores
A Senzala recebe nossa visita
Vamos crucificar os jesuítas
No mar ergue nosso levante
Limpar com a cara dos bandeirantes
Recuperar,ocupar,resistir,construir
Ergue nossa bandeira
Bandeira cor vemelha
Recuperar as origens da verdadeira nação brasileira

Dandara heeeee
Dandara
Dandara heeeee
Dandara

Agora é nossa vez
Valeu choco rei.
Pode vim que tem
Com nos é muita mais alem,
muito mais Allende.
Reconstruindo tijolo por tijolo
Fortalecendo as raízes etnias do criolo
Que nem Ruy Barbosa pode queimar
Que está contido no coração,
limpo de todo mau
No toque do berimbau
Muito axé… Salve o candomblé
Pros companheiros amor com Gandi, paz sem fim
Pros inimigos coragem perseverança como zumbi
Como diz Zafrica Gaspar
O que importa é a cor…e quem tem cor age
Tem coragem!
No ato da coragem
A cor ‘de tomada pela ação
Em toda cor,em toda ação
É contido um coração
Coragem pra poder amar e guerrear
Ter terra pra poder plantar
Plantar e ver crescer,poder comer
Ver a água do rio descer,poder

Vamos reconstruir palmares
Vamos reconstruir palmares
Mesmo com Naza sobre os ares
Mesmo que venham ogivas nucleares
Mesmo que caiam corpos sobre os mares
Vamos reconstruir palmares
Vamos reconstruir palmares

Render o capitão do mato
Algemar o policial
Lutar por um país onde tupi-guarani é oficial
Olha as imagens
É preto, é branco.
Chaplin!
Luz, câmera… Geraldo Filme
Olha o filme Zagatiano as telas
Informação pras favelas.
A pólvora se em curta
O fogo se alastra
É fogo no pavio
Revolução no Brasil
O som é GOG
Tipo Anita Garibaldi, Maria bonita, Olga e Pagu.
Vamos expande nosso Xingu
Fortalecer as terras de mandacaru
Ai você quer ser macaco?
Desde moleque eu sou guerreiro
Nascido cangaceiro
É resistência e ousadia
Assistindo narradores de Javé
Rap do bom,é samba no pé
Xica da Silva,Dandará mulher
Ouvindo Carlos Silva em patativa do assaré
Nhonhonhonhonhomho…
Nhonhonhonhonhomho…

O Zóio da santa de madeira,
Correndo lagrimas molhadas
Por ver o negro sucumbi a chibatada
Suas costas todo ensangüentada

Revolução, transformação, evolução.
Joguem os búzios
Rompei  as fronteiras
Acabai com as tiranias
Unificai as periafricania
No estudo da quilombologia
Nos Na escrita quilombosia
Toque os tambores
Rugem os amores
vamos reconstruir palmares
Por que toda favela tem um pouco de senzala
Mas toda favela tem um pouco quilombo
Salve o rei palmares
Salve a rainha áfrica,a chama  incandescente
que queima a fênix chamada Brasil.

LuanLuando
http://recantodasletras.uol.com.br/autor.php?id=66605

Veja hoje e ontem

Veja,  mudanças de acordo com seus interesses. Isso não é novidade.  Para relembrar:

https://sessao.wordpress.com/2010/04/11/as-capas-da-veja-e-as-chuvas/

Lobby cristão e casamento gay

Contardo Calligaris

“As igrejas gostariam de uma sociedade em que seja crime tudo o que, para elas, é pecado”

Em maio passado, durante uma visita ao santuário de Fátima, o papa Bento 16 declarou que o aborto e o casamento entre pessoas do mesmo sexo estão entre os mais “insidiosos e perigosos desafios ao bem comum”.

Atualmente, quase todas as igrejas cristãs (curiosamente alinhadas com as posições do papa) negociam seu apoio aos candidatos à presidência cobrando posições contra a descriminalização do aborto e contra o casamento gay.

Em 2000, segundo o censo, havia, no Brasil, 125 milhões de católicos, 26 milhões de evangélicos e 12 milhões de sem religião. É lógico que os principais candidatos inventem jeitos de ficar, quanto mais possível, em cima do muro -tentando satisfazer o lobby cristão, mas sem alienar totalmente as simpatias de laicos, agnósticos e livres pensadores (minoritários, mas bastante presentes entre os formadores de opinião).

Adoraria que as campanhas eleitorais fossem mais corajosas, menos preocupadas em não contrariar quem pensa diferente do candidato. Adoraria também que soubéssemos votar sem exigir que nosso candidato pense exatamente como nós. Mas não é esse meu tema de hoje.

Voltemos à declaração do papa, que junta aborto e casamento gay numa mesma condenação e, claro, tenta pressionar os poderes públicos, mundo afora. Para ele, o que é pecado para a igreja deve ser também crime para o Estado.

No fundo, com poucas exceções, as igrejas almejam um Estado confessional, ou seja, querem que o Estado seja regido por leis conformes às normas da religião que elas professam. De novo, as igrejas gostariam de uma sociedade em que seja crime tudo o que, para elas, é pecado: o sonho escondido de qualquer Roma é Teerã ou a Cabul do Talibã.

Há práticas sexuais que você julga escandalosas? Está difícil reprimir sua própria conduta? Nenhum problema, a polícia dos costumes vigiará para que ninguém se dedique ao sexo oral, ao sexo anal ou a transar com camisinha.

Para se defender contra esse pesadelo (que, ele sim, é um “insidioso e perigoso desafio ao bem comum”), em princípio, o Estado laico evita conceber e promulgar leis só porque elas satisfariam os preceitos de uma confissão qualquer. As leis do Estado laico tentam valer por sua racionalidade própria, sem a ajuda de deus algum e de igreja alguma.

Por exemplo, é proibido roubar e matar, mas essa proibição não é justificada pelo fato de que essas condutas são estigmatizadas nas tábuas dos dez mandamentos bíblicos. Para proibir furtos e assassinatos, não é preciso recorrer a Deus, basta notar que esses atos limitam brutalmente a liberdade do outro (o assaltado ou o assassinado).

Agora, imaginemos que você se oponha ao casamento gay invocando a santidade do matrimônio. Se você acha que o casamento é um sacramento divino que só pode ser selado entre um homem e uma mulher, você tem sorte, pois vive numa democracia laica e sua liberdade é total: você poderá não se casar nunca com uma pessoa do mesmo sexo. Ou seja, você poderá manter quanto quiser a santidade e a sacramentalidade de SEU casamento.

Acha pouca coisa? Pense bem: você poderia ser cidadão de uma teocracia gay, na qual o Estado lhe imporia de casar com alguém do mesmo sexo.

Argumento bizarro? Nem tanto: quem ambiciona impor sua moral privada como legislação pública deveria sempre pensar seriamente na hipótese de a legislação pública ser moldada por uma outra moral privada, diferente da dele.

Parêntese: Se você acha que essa história de casamento gay é sem relevância, visto que a união estável já é permitida etc., leia “Histórias de Amor num País sem Lei. A Homoafetividade Vista pelos Tribunais – Casos Reais”, de Sylvia Amaral (editora Scortecci).

PS. Sobre a dobradinha sugerida pela declaração do papa: talvez, para o pontífice, aborto e casamento gay sejam unidos na mesma condenação por serem ambos consequências da fraqueza da carne (que, obstinadamente, quer gozar sem se reproduzir).

Mas, numa perspectiva laica, a questão do aborto e de sua descriminalização não tem como ser resolvida pelas mesmas considerações que acabo de fazer para o casamento gay. Ou seja, não há como dizer: se você for contra, não faça, mas deixe abortar quem for a favor. Vou voltar ao assunto, apresentando alguns dilemas que talvez nos ajudem a pensar.

Campanha Nacional Contra os Despejos- Resistência Urbana

Publicado em

Vídeo que realizamos, no Coletivo de Comunicadores Populares:

http://www.youtube.com/watch?v=w5OQEmtsxQA&feature=player_embedded

Entre os dias 20 a 23 de setembro, a Resistência Urbana (www.resistenciaurbana.org) se mobilizou e organizou uma jornada de lutas nacional, que procurou questionar algo recorrente na atual conjuntura do país: os despejos. Por isso, foram realizadas uma série de ações pelo país, parte de uma jornada de lutas nacional, que questiona a atual política de moradia do país, que já  atingiu e vai atingir as periferias de cidades por todo o país.

Como o Brasil será sede da Copa 2014 e das Olimpíadas de 2016, uma série de despejos poderão acontecer para que as obras sejam viabilizadas, principalmente nas metrópoles. Por isso, ações diretas pelos movimentos populares eram necessárias, para que uma negociação fosse iniciada desde já, e que os direitos de todas as comunidades periféricas, em todas as regiões do país sejam garantidos. Direitos que dizem respeito à moradia digna, e ao direito do espaço da cidade como um todo.

http://comunicadorespopulares.org/

Programação da 3º Mostra Luta

Publicado em

Saiu a programação da 3º Mostra Luta. Filmes, fotografias, poesias, quadrinhos, dança e debates sobre diversas lutas sociais dos trabalhadores, trabalhadoras e movimentos sociais.

programacao mostraluta 3