Assinatura RSS

O pequeno príncipe- Sérgio Vaz

Publicado em
Este lindo texto de Sergio Vaz me tocou bastante e acho que toca qualquer tímido como eu.
 
O pequeno príncipe
 
Sérgio Vaz

Na semana passada fui participar de um sarau com os alunos da escola Paulo Afonso em Capuava, que fica em Embu das Artes, na divisa com Cotia. Além de mim também foram convidados o Gaspar (Záfrica Brasil), Zinho Trindade e o Baltazar (Preto Soul).

O Alunos da 5ª e 6ª série também prepararam uma apresentação para o dia, sob a supervisão de alguns professores, inclusive do Wagner, meu amigo.
A Manhã de poesia já estava servida como merenda no pátio da escola e, para minha surpresa, a molecada repetia várias vezes. Até aí, além do presente da vida, nada demais. Um poema solo aqui, um poema em grupo ali, uma música à capela, e o frescor da infância se esfregando nos meus olhos.
Em um determinado momento a professora chama um garoto, para se apresentar. Tímido, como poucos, recitava sua poesia com bastante nervosismo, o suficiente para que alguns dos alunos começassem a rir da sua declamação. Sei que não riam por maldade, crianças apenas riem.
De Súbito senti minha alma desprender do corpo, numa rápida viagem para o passado. Vi-me ali no seu lugar, com 12 anos, sendo punido pela timidez por apenas estar vivo na hora errada. “A Timidez é uma lei muito severa a ser cumprida…”
De volta ao futuro, ainda consegui vê-lo em sua batalha contra o mundo. Como já disse, enquanto alguns riam ele recitava, como quem expulssasse o silêncio do corpo.
Parecia que lhe faltava o ar, as palavras lhe traiam, as vírgulas abriram fuga, os olhos caminhavam devagar demais para tanta pressa de sair de cena. As mãos tremiam por todo o corpo.
Nós poetas torcíamos por ele, os educadores gritavam pelos olhos por ele.
E de repente o vento parou de soprar para que o barulho não o atrapalhasse.
Os Pássaros debruçados nas árvores acompanhavam-no em si bemol. Uma nuvem calou a camada de ozônio para que ele pudesse respirar melhor.

Assim como um milagre, que só as crianças sabem o segredo, pude vê-lo refletido nos olhos úmidos das pessoas, e o riso, como se recebesse uma ordem do universo, partiu para uma outra dimensão. O mundo inteiro parou para ouvir o mais lindo poema da vida, a coragem de enfrentar as dificuldades.

Ao terminar, ele riu, agradeceu aos aplausos e saiu como um nobre cavaleiro que acaba de derrotar um dragão numa batalha sangrenta, e sem nenhuma gota de sangue pelo corpo.

Eu ali como um fraco, voltando ao passado, tendo pena dele, e ele ali, como um príncipe guerreiro enfrentando o futuro, e de canja, deixando a lição pra gente fazer em casa, de que só os fortes sobrevivem.
Se um dia eu crescer quero ser como ele: gente.

http://www.colecionadordepedras1.blogspot.com/

Entrevista Sérgio Vaz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: