Assinatura RSS

A casa dos Lispector

Publicado em

 

A casa onde Clarice Lispector passou a infância no Recife será transformada em um centro cultural, que ganhará o nome da irmã da escritora, Elisa Lispector. A notícia, apurada pela coluna da Mônica Bergamo, no caderno Ilustrada da Folha de S. Paulo, revela, ainda, que a sobrinha-neta de Clarice, Nicole Algranti, é quem está à frente do projeto. A arquidiocese da capital pernambucana cedeu o imóvel a ela, na praça Maciel Pinheiro, em comodato, onde será criado um instituto voltado ao incentivo à literatura e ao cinema.

Clarice nasceu na Ucrânia, país de onde seus pais conseguiram escapar, fugidos da perseguição nazista. Ao chegar ao Brasil, os Lispector se estabeleceram primeiro em Maceió e, depois, no Recife, lugar que abrigou muitos judeus desde pouco antes da Primeira Guerra. A escritora tinha cinco anos quando chegou à cidade, e lá passou a infância, antes de se mudar para o Rio de Janeiro com a família. Recife foi, para Clarice, a referência mais importante,  a terra da qual sentia que pertencia de fato. “Pernambuco marca tanto a gente que basta dizer que nada, mas nada mesmo nas viagens que fiz por este mundo contribuiu para o que escrevo. Mas Recife continua firme.” 

Benjamin Moser, autor da biografia Clarice, (2009), escreveu sobre os últimos momentos da escritora, que teve a vista da praça da infância como uma de suas últimas imagens. “Meses antes de morrer, Clarice Lispector fez sua última viagem ao Recife, para dar uma palestra na universidade. Ela insistiu em se hospedar no Hotel São Domingos, na esquina da praça Maciel Pinheiro, onde ficava o velho banco judaico. Passou horas na janela olhando para a pracinha onde crescera. Para a pequena Clarice, conforme ela lembrou numa entrevista, aquele jardinzinho, onde os motoristas de táxi flertavam com as empregadas domésticas, parecia uma floresta, um mundo onde ela escondera coisas que nunca mais conseguiu recuperar.Depois de todos aqueles anos, só a cor da casa tinha mudado: ‘Minha lembrança é a de olhar pela varanda da praça Maciel Pinheiro, em Recife, e ter medo de cair: achei tudo alto demais […] Era pintada de cor-de-rosa. Uma cor acaba? Se desvanece no ar, meu Deus.’”

Fonte: CosacNaify 

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: